A Sondagem a Percussão ou Sondagem SPT é um método direto de investigação que  consiste de perfurações executados no terreno, que tem por objetivos determinar os tipos de solo, suas profundidades de ocorrência e seus índices de resistência a penetração e, quando observado e a posição do nível d’água local.

Na Sondagem a Percussão ou Sondagem SPT as operações de sondagem, propriamente dita, e de amostragem de solos são usualmente são intercaladas, metro a metro, com ensaios SPT (Standad Penetration Test), o que possibilita a determinação dos índices de resistência a penetração das diferentes camadas perfuradas. Possibilita a execução de ensaios adicionais “in situ”, tais como os ensaios de permeabilidade em solos (ensaio de infiltração) e de obtenção da medida do torque necessário para romper a adesão solo-amostrador do ensaio SPT (Sondagem a Percussão com medida de Torque ou SPT-T).

Sondagem à Percussão / Sondagem SPT
Sondagem à Percussão / Sondagem SPT

A execução Sondagens a Percussão ou Sondagem SPT são normatizadas pelas normas ABNT: NBR 6502, NBR 6484 e NBR-13441

Representa uma ferramenta indispensável para a elaboração de projetos de fundação para qualquer tipo de obra, seja para implantação de edificações ou obras de arte, entre outras.

A sondagem a percussão é um método para investigação de solos cuja perfuração é executada com utilização de trado ou trépano de lavagem e permite a obtenção de amostras de solo, da medida de índices de resistência a penetração e a execução de diferentes ensaios in situ.

Execução de Sondagem à Percussão

Uma sondagem a percussão deve obedecer ao seguinte procedimento:

A sondagem deve ser iniciada com emprego do trado concha ou cavadeira manual, intercaladas com operações de amostragem e execução de ensaio a penetração a cada metro, até se atingir o nível d’água freático ou se mostrar impossível o avanço com utilização do trado (avanço da perfuração com emprego do trado helicoidal for inferior a 50mm após 10 min de operação) ou, ainda, ou nos casos de solos aderentes ao trado, passa-se ao método de perfuração por percussão com circulação de água, também denominado por lavagem. Estes casos, considerados especiais, devem ser devidamente justificados no relatório. 

No caso de se atingir o nível d’água, sua profundidade deve ser anotada e medida todos os dias, antes do início dos trabalhos, e na manhã seguinte após conclusão dos serviços. Durante todas as operações da sondagem, deve-se manter o nível d’água no interior do furo em cota igual ou superior ao nível do lençol freático.

A operação de sondagem à percussão  de perfuração por circulação de água é realizada utilizando-se o trépano de lavagem como ferramenta de escavação e a remoção do material escavado por meio de circulação de água realizada pela bomba d’água motorizada, através da composição das hastes de perfuração. A operação consiste na elevação da composição de lavagem, em cerca de 0,30m do fundo do furo, e a queda deve ser acompanhada de movimento de rotação imprimido manualmente pelo operador. Quando se atingir a cota de amostragem o conjunto de lavagem deve ser suspenso a uma altura de 0,20m do fundo do furo, mantendo-se a circulação de água por tempo suficiente, até que todos os detritos da perfuração tenham sido removidos do interior do furo. Toda vez que se for descida a composição de perfuração com o trépano e instalado um novo segmento do tubo de revestimento, ambos devem ser medidos com precisão de 10mm.

Durante as operações de sondagem à percussão de perfuração, caso a parede do furo se mostre instável, é obrigatória, para amostragem subsequentes, a descida do tubo de revestimento até onde se fizer necessário, alternadamente com a operação de perfuração. Atenção especial deve ser dada para não se descer o tubo de revestimento a profundidade além do fundo do furo aberto. O tubo de revestimento deve ficar no mínimo a 0,50m do fundo, quando da operação de amostragem. Somente em caso de fluência do solo para o interior do furo será admitido deixá-lo a mesma profundidade do fundo do furo.

Em casos especiais de sondagens profundas em solos instáveis, onde a descida e/ou a posterior remoção dos tubos de revestimento for problemática, podem ser empregadas lamas de estabilização em lugar de tubo de revestimento. Estes casos devem ser anotados na folha de campo. 

Durante a operação de perfuração, devem ser anotadas as profundidades das transições de camadas detectadas por exame tátil-visual e da mudança de coloração dos materiais trazidos à boca do furo pelo trado helicoidal ou pela água de lavagem. Antes de retirar-se a composição de perfuração, com o trado helicoidal ou trépano de lavagem apoiado no fundo do furo, deve ser feita uma marca na haste a altura da boca do revestimento, para que seja medida, com precisão de 10mm, a profundidade em que irá apoiar o amostrador na operação de amostragem.

A Sondagem a percussão deve ser encerrada quando, o que primeiro ocorrer:

    • Atingir a profundidade especificada na programação dos serviços, ou
    • Quando, em 3 metros sucessivos, se obtiver 30 golpes para os 15cm iniciais do amostrador padrão, ou
    • Quando, em 4 metros sucessivos, se obtiver 50 golpes para os 30cm iniciais do amostrador padrão, ou
    • Quando, em 5 metros sucessivos, se obtiver 50 golpes para os 45cm iniciais do amostrador padrão, ou
    • A cravação do amostrador obtiver avanço inferior a 5cm após 10 golpes consecutivos ou quando o número de golpes for superior a 50, num mesmo ensaio (neste caso considerados impenetrável a percussão) ou
    • Atender ao critério de paralisação estipulado pela CONTRATANTE

Detalhe retirada de amostra de solo (amostrador bi-partido) 

Uma vez atingido o impenetrável ao SPT e não sendo atendido o critério de paralisação estipulado em projeto e havendo interesse, deve ser executado ensaio de lavagem por tempo, sendo a sondagem considerada impenetrável a lavagem por tempo quando forem obtidos avanços inferiores a 5m por período, em três períodos consecutivos de 10 minutos.                                                                           

Consulte-nos – 2dgeo@2dgeo.com

(11) 3376-6312 – (11) 98116 7979 / 97077 3423